As autoridades japonesas decidiram construir um muro para bloquear a vista do Monte Fuji e vão passar a cobrar taxa de entrada e restringir as horas de visitação.

Tão grande é o Monte Fuji que é possível vê-lo do espaço; mas, a partir da semana que vem, essa será uma das únicas maneiras de observá-lo de longe. À pedido da comunidade local, será construído um muro de 2,5 metros de altura e 20 metros de comprimento para bloquear a vista do monte. O objetivo é controlar a área ao redor que está sofrendo com o turismo; em especial, o turismo estrangeiro.

Em busca da foto perfeita, os turistas estacionam em lugares não permitidos, invadem propriedades privadas, deixam lixo e causam muito transtorno na cidade de Fujikawaguchiko. A nova medida protege a comunidade que, ao invés de celebrar o fato de viver ao lado do Monte Fuji, considerado sagrado e a maior montanha Japão, está lutando contra o turismo em massa.

Além da subida do muro, também será cobrada uma taxa de entrada de, aproximadamente, R$ 65 e haverá um limite no número de visitantes e as horas de visitação. Aliás, essa não é a primeira vez que o governo japonês regula algum ponto turístico. Em Kyoto, por exemplo, turistas foram impedidos de circular nos bairros das gueixas devido aos casos de assédio. Essa é a resposta a onda de turismo excessivo que sucedeu a pandemia de Covid-19, no final de 2022.